"Mas afinal,o que a gente faz na sessão da terapia? "


Me perguntou um amigo próximo não faz muito tempo, depois de uma longa conversa por telefone e de ouvir ele dizer que queria fazer terapia.


A pergunta me deixou surpresa por dois motivos: primeiro por ele achar que tinha uma forma exata de comportar numa sessão de terapia, algum protocolo ou regra. O segundo motivo era que pra mim aquilo tão óbvio que eu nunca parei pra pensar que alguém tinha esse tipo de questão. Pensei alguns segundos até responder aquela pergunta.


Ficou tão marcado pra mim que até hoje me lembro e sempre procuro pensar nisso quando alguém faz alguma pergunta relacionada a processo de terapia. Era muito óbvio pra mim, que sou profissional da área, mas não é óbvio pra quem nunca fez. E faz todo sentido não ser.


Logo me veio na cabeça e eu disse pra ele : " O que você quiser! Você pode fazer o que você quiser. " E continuei: aquele espaço e horário são só seus e você pode fazer o que quiser. Pode passar a sessão falando pelos cotovelos, pode não falar nada também se quiser. Pode chorar, ter raiva, contar algo bom que aconteceu, desabafar sobre qualquer coisa. Você pode deitar no divã, pode sentar, olhar para o terapeuta, não olhar, ficar descalço, ou não tirar os sapatos. As possibilidades são infinitas como são as pessoas.


Quis que ele entendesse que não havia regras e que ele seria acolhido independente do jeito dele de estar naquele espaço e mostrar o quanto isso é maravilhoso e libertador. Imagina um lugar onde você pode ser quem você é, sem se preocupar com julgamentos? É por isso que eu sou apaixonada pelo que faço. Porque sei o poder curativo e transformador desse espaço, desse momento, desse processo.


Não sei se deixei ele mais assustado ,mas acredito que ele estava mais assustado quando fez a pergunta do que com a resposta. Na verdade acho que ele ficou mais aliviado.

Até hoje não sei qual foi a escolha dele, fazer ou não fazer, mas até isso faz parte. Porque não há terapia sem disponibilidade e não falo só de horário na agenda e sim de se deixar ser ouvido de forma terapêutica e a partir daí começar sua própria jornada.


Se você já fez essa pergunta, espero ter te ajudado de alguma forma . E se tiver alguma dúvida extra pode entrar em contato também.

Abraço ,

Gabriela.

39 visualizações

2019-2020 © TherAppy | Termos de Uso